“Não existe almoço grátis”, nem na internet. Alguém tem que pagar a conta e o Facebook mandou a fatura para as empresas. Por isso é cada vez mais difícil alcançar visibilidade na rede sem investir em anúncios, a partir de parcos R$ 1, mas “de grão em grão a galinha enche o papo”.

Só nos três primeiros meses de 2015, foram 3,5 bilhões de dólares arrecadados com publicidade. E quanta gente tem para alimentar a galinha dos ovos de ouro de Mark Zucherberg, não é mesmo? 1,4 milhão de pessoas, mais do que o número total de católicos no mundo, a religião com maior número de adeptos. Uns anunciantes, outros apenas consumidores.

Pode parecer terrível, porém é apenas um sinal de que é preciso ter mais do que pessoas atrás dos computadores que automaticamente postam artes, textos ou vídeos. Isso é muito pouco para ter sucesso na maior rede social do momento, é necessário ter inteligência estratégica para minimizar os gastos, fazer com que o valor investido em propaganda no Facebook renda mais e principalmente que seja convertido em visualizações, engajamento e até vendas, dependendo do que for anunciado.

Além do melhor uso do investimento, profissionais especialistas em internet conhecem e estudam técnicas para que o conteúdo tenha a máxima repercussão sem ser necessário desembolsar nenhum vintém, mesmo com o boicote que o Facebook faz para que cada vez menos postagens cheguem aos seguidores da marca. É uma tarefa árdua e que complementa o investimento, que é praticamente indispensável, mas potencializa e muito os resultados.

Você ficou bravo com o Facebook, achou-o muito mercenário? Coloque-se no lugar de qualquer empresário, ele precisa ter capital de giro para investir na empresa e obter lucros, é primordial para que a empresa possa continuar a progredir, fazer um trabalho bem-feito. Dessa forma, era mais do que esperado que Zuckerberg ampliasse a forma de conseguir verbas para continuar a desenvolver um trabalho consistente, com uma equipe de ponta.

Também é importante ressaltar que o Facebook é a maior rede social do momento, mas é apenas uma entre tantas existentes. Outro ponto: pode ser que ter uma Fanpage não seja o único e melhor caminho para sua marca; há infinitas formas de promover seu negócio na web. Como saber? Com um diagnóstico social poderoso, o qual vai apontar as oportunidades na internet, pois estar on-line é bem mais do que estar no Facebook.

No próximo artigo falaremos mais sobre o assunto, aguarde!

*Observação: dados sobre a quantidade de usuários e faturamento do Facebook foram consultados na edição de junho de 2015 da Revista Superinteressante.