Marketing Digital

Métrica de vaidade: entenda porque ela é a maior vilã do mundo virtual

By 23 de fevereiro de 2017 No Comments
metricas de vaidade vila do mundo digital

O argumento de que uma rede social precisa de muitos seguidores tem caído por terra. Cada vez mais elas são entendidas como ferramenta para conseguir alcançar um resultado concreto, aproximar as empresas da missão e visão, além de reforçar os valores da marca.

O próprio Facebook, a mais popular das mídias sociais, diz na plataforma Blueprint que mudou a forma de determinar o sucesso das empresas.
facebook contra metricas de vaidade
Dessa forma, as empresas e profissionais de marketing devem pensar de maneira similar. Reconhecimento de marca, impulsionar vendas, aumentar o número de cadastros, levar os leitores certos a um site é o que deve ser levado em conta no momento de planejar uma ação.

E vale para qualquer rede social: Instagram, LinkedIN, Pinterest e outras bem como para outras plataformas on-line, como sites e blogs. Foi-se o tempo que estar em uma rede social e internet de maneira geral sem propósito, apenas para marcar presença era vantajoso. Aliás, nunca foi, mas tem ficado cada vez mais evidente.

Anúncios – Goolge Adwords

Métricas da vaidade desmascaradas

Comprar seguidores, por exemplo, com o argumento de que a marca só será respeitada se tiver muitos Ks é facilmente derrubado. Muitos internautas questionam o porquê de um perfil ter 10K e engajamento nas publicações totalmente incompatível com o número de seguidores.

Em uma discussão no grupo Marketing BH, a professora e profissional da área Fernanda Alves citou como exemplo um cliente que comprou por conta própria um pacote com milhares de seguidores para o Instagram. O resultado foram comentários facilmente identificados como spam, muitos em inglês. Enquanto isso, os acessos no site diminuíram bastante.

Outro colega da área de marketing digital, o Magno Martins, contou que um cliente propôs começar o trabalho com um pacote de 10k porque só assim a marca seria respeitada e que no nicho dele não havia outra forma de conseguir relevância. A resposta foi:

“Não trabalho com métricas da vaidade, você tem que assumir a referência que é no seu setor”.

Ao final da reunião o cliente pediu que ele enviasse uma proposta. Muitos têm medo de fazer o que o Magno fez, porém, clientes querem consultores e não executores, caso contrário eles mesmos fariam o trabalho.

Imagino o alívio do Magno, pois zoeiras a parte, as métricas de vaidade são um tipo de demônio no marketing digital.

 

Quebrando a resistência

Em alguns casos o contratante é muito resistente, porém é necessário se posicionar como o Magno fez. Muitos clientes até acreditam que têm conhecimento suficiente para montar a estratégia. Realmente o cliente sabe muitas partes técnicas e o conhecimento dele deve ser levado em consideração no momento de traçar estratégias. Afinal, é preciso haver um alinhamento entre os objetivos da empresa e as ações de marketing.  

O que recomendo em caso de resistência é explicar tudo minuciosamente, às vezes até em formato de consultoria que pode ser contratada a parte do restante do projeto, já que leva tempo. Na House deu muito certo. O cliente viu etapa por etapa, o passo a passo técnico e implicações.

A ideia inicial era até que ele executasse todas as tarefas, mas ao ver a complexidade e valor do trabalho contratou vários serviços que não estavam previstos inicialmente. Ganhamos muito além do que está no contrato. Com a mentalidade certa e profissionais que explicaram tudo, ele passou a confiar em nós, assim executamos com mais liberdade do que se ele continuasse com dúvidas. Aliás, mais certezas do que dúvidas, já que o pensamento inicial é que saberia fazer todo o trabalho.

Caso precise de ajuda para divulgar sua empresa on-line, marque uma reunião conosco!

Talita é jornalista e pós-graduada em revisão de textos. Trabalha com gestão de redes sociais e produção de conteúdo desde que se formou. Além de produzir conteúdo para sites e blogs institucionais, também se aventura nos textos literários.