Gentileza cabe em todos tipos de marketing, use!

Dicas de livros
marketing de gentileza virtual

Fiquei particularmente empolgada quando li pela primeira vez o termo Marketing de Gentileza. Pensei a princípio que se tratava de um novo e necessário tipo de marketing. Com certeza ele se juntaria aos outros nos quais trabalho: marketing de conteúdo, de relacionamento, digital.

No entanto, o Marketing de Gentileza é ainda melhor do que pensei. Segundo a especialista e responsável pelo termo, Laíze Damasceno, não é um tipo de marketing, mas uma maneira de fazê-lo. Ou seja, a gentileza deve estar em qualquer ação, on-line ou não. Aliás, precisa estar presente por toda parte, é assim que acredito que iremos fazer do mundo um lugar bem melhor, inclusive.

Por definição da autora, que consta no livro sobre o tema,  gentileza é:

“Habilidade de enxergar uma necessidade de alguém e ajudá-lo sem esperar receber alguma coisa em troca”.

Ao ouvir a Laíze falar pessoalmente, lembrei-me muito da mineira Leila Ferreira. Nas palestras e livro “A arte de ser leve” a escritora diz que as circunstâncias não nos dão o direito de sermos grossos e que leveza nem tem a ver com felicidade ou sorte, é possível ser leve quando conseguimos ser gentis com as pessoas mesmo que o mundo esteja desabando.

Leila ainda fala que nas entrevistas para trabalhar no antigo programa dela sempre analisava se o candidato era uma pessoa legal, gentil, pois o restante era fácil que ele aprendesse. A Laíze promove encontros presenciais para falar sobre o Marketing de Gentileza e falou algo parecido no nono evento, em que estivesse presente.

Ela afirmou que gosta de conhecer as pessoas “ao vivo”, pois o profissional pode ser ótimo para gerenciar a imagem e péssimo presencialmente, o que, aliás, coloca por terra todo investimento em marketing pessoal.

Eu curti muito o que as duas falaram, pois em tempos digitais é preciso ter por perto quem espalhe gentileza. Só assim o internauta, por exemplo, vai conseguir se sentir tocado por uma ação de marketing atrás de uma fria tela de computador ou smartphone. É assim que as relações podem ficar mais aquecidas e humanizadas.  

Gentileza é dar atenção ao básico

A gentileza mora nos detalhes e no básico. É um e-mail bem respondido, uma resposta em rede social bem pensada, uma atitude pouco esperada, mas que fará diferença na vida do outro. Mas tem muita gente que não tem noção do básico, às vezes até profissionais experientes me surpreendem negativamente neste sentido. O mais impressionante é que são pessoas muito boas nas áreas delas, educadas, gentis pessoalmente. No entanto, quando vão para a internet parecem ser grossas, pouco cuidadosas, mandam e-mails curtos e grossos, deixam as pessoas sem resposta, publicam conteúdo em um tom pouco amigável.

Se eu não as conhecesse de perto com certeza atribuiria a falta de gentileza a um problema de berço. Por isso é tão importante falar de gentileza em tempos cada vez mais conectados para que conexões fortes sejam de fato criadas.

Gentileza mora também na criatividade de pensar além da venda. Atendi um cliente que sempre dizia que relacionamento é um dos pilares do bom vendedor, pois só compramos quando confiamos. Outro autor disse que não fechamos uma venda, mas abrimos relacionamentos. Aí está a diferença entre ter uma cartela boa de clientes ou projetos esporádicos, amigos de verdade e colegas. A gentileza ajuda muito na vida como um todo e como temos vivido muito on-line, a gentileza virtual tem que ser apresentada.

No livro da Laíze, Marketing de Gentileza – Manual de Gentileza Virtual Para Tocar o Coração Dos Seus Clientes”, são dados vários exemplos de como as marcas acertam e erram, vale a pena ler para refletir sobre os caminhos que temos tomado e quais são os melhores.

livro marketing de gentileza e laize damasceno

Foto retirada do site da autora – Laíze Damasceno, link no final do artigo

Além da leitura, eu recomendo pensar em como as pessoas gostam de ser tratadas, pois não estamos diante de novas tecnologias apenas e sim de seres humanos usando as novas tecnologias para se expressarem, comprarem, reforçarem laços de afeto. No fim das contas, as pessoas fazem todas essas coisas desde o início dos tempos, mas de formas diferentes, de acordo com cada época.

E o que elas querem é o básico: gente atenciosa para atendê-las, educação e que os problemas sejam resolvidos o mais rápido possível. A gentileza está em todas essas exigências, não é mesmo?

Para saber mais sobre marketing de gentileza: 

Você pode:

Comprar o livro Marketing de Gentileza – Manual de Gentileza Virtual Para Tocar o Coração Dos Seus Clientes”

Curtir a fanpage Marketing de Gentileza

Acessar o site da Laíze Damasceno, que tem o mesmo nome do tema

Talita é jornalista e pós-graduada em revisão de textos. Trabalha com gestão de redes sociais e produção de conteúdo desde que se formou. Além de produzir conteúdo para sites e blogs institucionais, também se aventura nos textos literários.