As armadilhas das “facilidades” na internet

Marketing Digital
As armadilhas das “facilidades” na internet

“Quando a esmola é demais o santo desconfia”. Há tanta sabedoria em alguns ditos populares que inovação nenhuma os coloca por terra. Especialmente esse, pode ser bastante aplicado na realidade dos projetos on-line. Postar links, escrever posts parece ser fácil e é diante de tudo necessário para que o projeto tenha sucesso. E para um negócio dar certo na Internet ele precisa de algo antigo, que nunca sai de moda – muita dedicação.

Como diria o talentoso Walt Disney:

“Nada substitui o trabalho duro”(Tweet)

No entanto, a House ouve de muita gente o seguinte pré-requisito para colocar um projeto no ar: “não quero ter muito trabalho nem gastar”. A pessoa quer ter sucesso sem colocar energia, esforçar-se, pensa que as automações resolvem tudo.

Porém, o que a tecnologia tem de vantagem é poder monitorar as ações dos internautas, perfil e realizar uma comunicação mais personalizada, o que dá muito trabalho, pois implica, de preferência, responder um por um de acordo com o perfil, customizar soluções na medida do possível.

Internet barata é mito

Outro fator decisivo – investimento. Ok que será um valor menor se comparado aos anúncios em mídias como TV e rádio, mas se forem muito pequenos ou nenhum o resultado é proporcional. É fácil visualizar isso nos anúncios de adwords(publicidade no Google), por exemplo.

Já fizemos testes, quem paga pouco, o mínimo que o Google pede, fica mais fora do ar do que tudo, já vimos casos de o anunciante não aparecer em 80% do tempo.

E o pior, a conta do lance é feita de acordo com o primeiro que perde o leilão. Ou seja, você acha que paga pouco quando na verdade investe no sucesso de quem investe mais. No Facebook funciona diferente, conteúdo orgânicos, aqueles que são apenas publicados, sem verba para impulsionamento, têm alcance reduzido. Esse é apenas um exemplo, pois há várias outras possibilidades de anúncios na maior rede social da atualidade, as quais não caberiam neste artigo.

Para um blog ser bem-sucedido, por exemplo, só escrever é pouco demais. Primeiramente é preciso escrever bem, claro, escolher temas que interessem ao público-alvo. Somado a isso, além do bom conteúdo é necessário escrever conforme as diretrizes de SEO – técnicas de otimização para buscas (aquelas que vão trazer visitas via Google, Bing, etc), usar técnicas de copywriting, neurociência, redação publicitária. Ter um bom design, um programador que saiba otimizar o código para os buscadores também, boas parcerias e, de preferência, verba para investir em publicidade, até nas formas tradicionais dela, e ações on-line também é essencial. Ah, atualmente o vídeo tem mostrado muita força, convém colocá-lo na estratégia digital. Isso significa mais trabalho e dinheiro investido. Vai exigir no mínimo profissionais que entendam as técnicas certas, nos quais, claro, você terá que investir.

É importante lembrar que desenvolver um bom trabalho nos meios tradicionais é diferente de ter sucesso on-line. Na House já vimos casos de profissionais que acreditaram que a fama garantiria sucesso, ledo engano. Credibilidade na web é construída assim como nos outros ambientes, é fruto de trabalho e pode levar tempo. A concorrência na internet é gigante, crescente a cada dia. Assim, é preciso ter uma estratégia que destaque os diferenciais do negócio e ou projeto, o que implica em mais empenho pela frente.

Quem entra na internet e pensa que terá menos trabalho com investimento zero deve desistir, esse não é um caminho aconselhável para quem quer ver a conta bancária crescer sem esforço. Talvez ganhar na mega seja mais fácil. Agora, se a ideia é colocar a mão na massa sem medo de trabalhar e colher os frutos a médio e longo prazo, invista. Ah, e neste caminho digital conte conosco, viu? É só chamar!

Talita é jornalista e pós-graduada em revisão de textos. Trabalha com gestão de redes sociais e produção de conteúdo desde que se formou. Além de produzir conteúdo para sites e blogs institucionais, também se aventura nos textos literários.